Precisa de Ajuda?

Pesquisa personalizada

Carta Aberta - Por Jorge Schemes:

No dia 23 de outubro de 2009 solicitei minha saída da coordenação pedagógica do Programa "O Caráter Conta!" na GERED de Joinville, SC. Foi uma decisão pessoal e feita de livre e espontânea vontade.

Todavia, algumas situações ocorridas bem como as circunstâncias que se arquitetaram ao longo deste ano (2009), e que culminaram na reunião feita no Setor de Ensino na data acima exposta, me fizeram tomar essa decisão.

Até então estive calado, porém não alienado, pois meu pensamento e minha formação cognitiva e filosófica é pós-crítica e meus princípios e valores são alicerçados na Santa Palavra de Deus, a Bíblia Sagrada.

Não posso agredir meus princípios morais e éticos diante de atitudes mesquinhas de segregação, exclusão, discriminação, preconceito, abuso de poder, constrangimento ilegal, falta de ética (no mínimo profissional) e assédio moral. O que eu não faço com os outros, eu não aceito que façam comigo.

Não compactuo com manobras politiqueiras de pessoas mesquinhas que, durante meu tempo de coordenação pedagógica à frente do Caráter Conta na GERED de Joinville, SC, nunca fizeram nada pelo Programa, e além disso visavam a apropriação do esforço e do trabalho alheio já feito durante anos para promoção e benefício próprios, tais pessoas são verdadeiros "vampiros psíquicos e sociais".

Alguém disse certa vez com muita propriedade que, "onde não há ética até o ambiente fica doentio". E tais pessoas, por serem as detentoras do poder, são um verdadeiro foco de doenças emocionais para aqueles que se sujeitam as suas manobras carregadas de tirania e cheias de maldade, mas Deus é justo Juiz e cabe a Ele retribuir a cada um segundo as suas obras.

Desde o início, minha dedicação e empenho para que o Programa "O Caráter Conta!" tivesse êxito nas escolas da Rede Pública Estadual pertencentes a GERED de Joinville, SC, foram constantes. Procurei promover "O Caráter Conta!" nas escolas da Rede Estadual de Ensino, por meio de reuniões com professores, técnicos e gestores, bem como formatá-lo pedagogicamente à realidade local. Procurei dar visibilidade para as ações do Programa por meio deste blog, e o fiz de maneira voluntária e por decisão pessoal, uma vez que o Programa, até a data presente (23/10/2009), não faz parte dos programas oficiais da Secretaria de Estado da Educação de Santa Catarina. Contudo, o mínimo que se espera quando há dedicação e empenho em qualquer atividade que envolva a educação é reconhecimento, valorização, gratidão e respeito. Talvez essa seja a razão porque há tantos professores e professoras desmotivados.

Apesar de tudo valeu a pena toda minha dedicação e esforço. E aqui deixo registrado o meu respeito e a minha gratidão a todos que se comprometeram junto comigo, e de coração voluntário ajudaram a implementar as atividades do "Caráter Conta!" em sua escola, de maneira especial aos professores e professoras, assistentes técnicos pedagógicos e gestores. Acredito no Programa "O Caráter Conta!" como uma ferramenta poderosa de transformação moral e ética dentro da escola e na vida de cada um de seus agentes. Por essa razão continuarei trabalhando os seus pilares em minhas aulas de Ensino Religioso na Rede Municipal de Ensino de Joinville, SC, como já vinha fazendo antes. Atualmente tenho 09 turmas, do Ensino Fundamental, somando mais de 300 alunos envolvidos com o Programa. Estamos trabalhando sistematicamente com várias atividades pedagógicas relacionadas com os pilares do "Caráter Conta!", meus alunos e alunas da Escola Municipal Saul Sant'Anna de Oliveira Dias já produziram redações, acrósticos, poesias, paródias e joguinhos lúdicos relacionados com os pilares do Programa "O Caráter Conta!". Essas atividades todas e muitas outras estão sendo socializadas neste espaço.

Termino afirmando que acredito na educação para o caráter, acredito na proposta e na metodologia do Programa "O Caráter Conta!", não como plataforma de interesses politiqueiros, pessoais e mesquinhos, mas como uma poderosa força moral na construção de uma cultura para a paz.

Que o Deus Eterno e Criador Ilumine a Todos Nós!
Ex-Coordenador Pedagógico do Programa "O Caráter Conta!" na GERED de Joinville, SC, no período de 2004 a 2009.
Atualmente é colaborador e multiplicador voluntário do Programa nas escolas da Rede Municipal de Ensino, onde atua como professor de Ensino Religioso.

Confira Também:

Atividades do Programa "O Caráter Conta"!

ESTUDE A PALAVRA DE DEUS AGORA!

ESTUDE A PALAVRA DE DEUS AGORA!
Cursos e Estudos Bíblicos Gratuítos
Pesquisa personalizada

quarta-feira, maio 02, 2018

Campanha: Jeito Catarinense - O Jeito Certo de Fazer as Coisas

Entenda como funciona a campanha “Jeito Catarinense – o jeito certo de fazer as coisas”

Dentro e fora das salas de aula, crianças vão valorizar as ações positivas na sociedade e orientar ações negativas no dia a dia
Lançada terça-feira (24/05/2018), a campanha Jeito Catarinense – o jeito certo de fazer as coisas, conta com a ajuda das crianças para disseminar o bem e valorizar as atitudes boas na sociedade. Já foram entregues a quase 120 mil alunos de 892 escolas da rede estadual de ensino as cartilhas e os cartões que fazem parte da campanha. Está nas mãos de cada criança valorizar atitudes positivas e orientar sobre as atitudes negativas do dia a dia. A proposta é ir além dos muros das escolas e levar para a sociedade, pais, amigos e vizinhos o jeito certo de fazer as coisas.
Na prática, cada professor terá a liberdade para trabalhar a cartilha com as crianças de 8 a 12 anos dentro de seu projeto pedagógico. As 10 mil cartilhas estão divididas em quatro pilares: o jeito certo de tratar as pessoas; a natureza; de andar no trânsito; e cuidar da saúde.
Nos projetos pedagógicos das escolas já são discutidas essas questões, que são essencialmente trabalhadas pelas famílias, mas que é continuado nas escolas. “Além do que está na cartilha, o professor também poderá levantar outras questões, que podem ter mais relação com sua região. No Oeste do Estado podem ser consideradas questões que não são no Litoral”, diz Zulmara Luiza Gesser, gerente de gestão da educação básica e profissional da Secretaria de Estado da Educação, parceira da Acaert (Associação Catarinense de Emissoras de Rádio e Televisão) na campanha.
No dia a dia da sala de aula, os professores poderão trabalhar e discutir com os alunos as situações que estão na cartilha. Dentro e fora das escolas, os estudantes poderão usar o cartão (que tem um lado verde e outro vermelho) para orientar, alertar ou parabenizar as pessoas por suas atitudes. “Queremos que a campanha seja da sociedade. A cartilha é uma forma de gerar a discussão sobre o jeito certo de fazer as coisas”, explica Leonardo Soares de Amorim, diretor executivo da Acaert.

Cartilha própria inspirada em outros projetos

A campanha Jeito Catarinense é inspirada em outras campanhas educativas que deram certo no Brasil e no mundo. Em 1972, a campanha Sujismundo incentivou a limpeza no Brasil e até virou sinônimo de porcalhão. Na década de 1990, em Curitiba, a prefeitura usava animais como anta e peruas para identificar maus condutores no trânsito da cidade. Em Bogotá, na Colômbia, uma campanha incentivou os cidadãos a promover mudanças diárias por uma cidade melhor. “Usamos essas referências para produzir a nossa própria cartilha, com uma linguagem adequada ao magistério”, diz Leonardo Soares de Amorim, da Acaert.
Em um segunda etapa do projeto, as escolas municipais das 20 maiores cidades de Santa Catarina também receberão as cartilhas e os cartões. Mas na prática, qualquer escola que quiser participar (incluindo as privadas), pode acessar o site da campanha, baixar e imprimir a cartilha e os cartões. “O projeto contribui para tornar as pessoas melhores, de incentivar o respeito com o próximo e as diferenças. É um projeto para o bem coletivo”, afirma Zulmara Luiza Gesser, da Secretaria da Educação.

Os quatro pilares da cartilha

  • O jeito correto de tratar as pessoas
  • O jeito corretor de tratar a natureza
  • O jeito correto de cuidar da saúde
  • O jeito correto de andar no trânsito

Como funciona

  • Cerca de 120 mil alunos de 8 a 12 anos de 892 escolas da rede estadual de ensino receberam os materiais
  • Os professores poderão discutir os temas em sala de aula com os alunos e explicar como funciona a cartilha
  • No dia a dia, as crianças podem usar os cartões dentro e fora das escolas. O jeito certo de fazer as coisas é representado pelo cartão verde e um sinal de reconhecimento pela atitude positiva. A forma errada leva o cartão vermelho para demonstrar indignação com ações negativas
  • As escolas que quiserem participar podem baixar o material no site www.jeitocatarinense.com.br ou entrar em contato com a Acaert pelo e-mail assessora@acaert.com.br

Os cartões

  • Entre as ações positivas que merecem o cartão verde estão o ato de respeitar as diferenças sociais, culturais e religiosas, ajudar ao próximo quando for preciso, conservar o meio ambiente, respeitar os animais e respeitar os limites de velocidade e as normas de trânsito
  • Entre as ações negativas que ganham o cartão vermelho estão o desrespeito às vagas preferenciais, usar o celular ao dirigir, desperdiçar água e energia elétrica, não agradecer e tirar vantagem das pessoas.

http://www.jeitocatarinense.com.br/

Nenhum comentário:

Pesquisa personalizada